Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Lua Vermelha

Sugestão de 2ª e 3ª temporada por Cláudia Silva. Tipo Fanfiction.

Lua Vermelha – 3ªtemporada - Episódio 65 – “Fugir é para cobardes”

[Boa Noite! Como anunciei, aqui está o novo episódio :D Espero que gostem :D Volto em breve (na próxima semana)!]

 20100606_020.jpg

 Continuação…

 

- O passado, o que aconteceu e o que devia ter acontecido, é o que o motiva nesta loucura que arrasta outros com ele. – esclarece Isabel, ocupando o silêncio de Beatriz com palavras que Luna diria se estivesse ali.

 

- No fundo, ele despreza-se a si mesmo! – assume a vampira. – E não só quer acabar com a própria vida, como ainda deixar a marca de caçador… - depois de pausar e respirar fundo, trocando olhares com Isabel, Francisca, Pedro e Vânia, retoma. - Peço-vos que lutem ao nosso lado. Ao contrário do que pensava isto não é apenas o passado a assombrar alguns, mas uma verdadeira luta pela sobrevivência e, novamente, pela paz, que implica todos nós.

 

Olhos bem abertos, alguns expressando orgulho, outros respeito e admiração, posturas erguidas, com mãos em punho estendidas ao longo dos corpos prontos para a nova guerra, e presas à vista nos rostos dos vampiros, são a prova de que dali, Isabel e Beatriz, não sairão sozinhas.

 

Nisto, Vasco repara mais uma vez que, embora não se tenha apresentado sozinha, Beatriz foi quem mais energia e coragem incitou nas almas de uma comunidade de vampiros novamente em perigo, precisamente porque há muito conquistou a sua confiança, e portanto, claramente esse efeito que ela tem sobre todos não vai sumir tão cedo. Vasco já odiou e desprezou demais aquela vampira para voltar a fazê-lo, mas a verdade é que a admiração que todos – e agora ele próprio – têm por ela e por tudo o que ela faz, vai ofuscar demasiado o seu futuro posto de líder.

 

Mais Antigo intervém enquanto todos seguem um pensamento claro e óbvio sobre tudo o que está a acontecer, o que tencionam fazer, como começar e, principalmente, como acabar.

 

- Eu mesmo já me encarreguei de avisar as outras comunidades. – garante Mais Antigo. – E, quero que saibam… - prossegue. - Considero a Beatriz e a Isabel, as cabecilhas de qualquer movimento dos vampiros no que respeita a esta nova guerra. – anuncia.   

 

Os vampiros aceitam de imediato a decisão de Mais Antigo, realmente achando-a a mais acertada e, no pensamento de alguns, talvez pelo entusiasmo de voltar a seguir as regras de Beatriz.

 

Ninguém questiona Mais Antigo, até porque ninguém discorda do que foi dito. Afinal o problema coloca-os a todos em vias de extinção, literalmente, e não há como fugir, ou esconder. Este tipo de inimigo não escolhe um alvo principal. E os que fogem da guerra, auto-apelidando-se orgulhosamente de sobreviventes, na verdade talvez sejam apenas cobardes

 

 

Depois da exaustão, de uma luta injusta pela sua própria energia e vida, Afonso acorda em consciência, num local que não é aquele em que tem a certeza que ainda está, embora aquele mesmo seja tão realista e bom, que deseje ser real.

 

É um deserto de relva verde e fresca, que estende para lá do horizonte, um céu azul magnífico em cima, terra suave e fresca aos seus pés. Afonso está sozinho. Está? Sente-se bastante bem para a ocasião, num aconchego familiar e incomum em simultâneo.

 

- Não queremos magoar-te.

 

Ouve-se o sussurro e Afonso gira em torno de si mesmo várias vezes para procurar alguém, alguma figura, qualquer coisa de onde possa ter sugerido aquela voz suave, calma, sábia… e na qual não confia.

 

Mantém-se calado, apenas esperando mais.

 

- Vamos apenas fazer bom uso da tua energia durante algum tempo.

 

Afonso tenta captar a origem dos murmúrios. Estará louco? Será um sonho?

 

- Assim que a nossa divida estiver paga, e os vampiros extintos…

 

Desta vez, o jovem não se faz parecer aquilo a que se chama uma barata tonta.

 

- Os vampiros são a minha família! – grita Afonso, num aviso que revela o seu lado lutador e destemido. – E eu vou descobrir uma forma de os proteger, nem que isso custe a minha vida!

 

Uma vez um deserto verde, um céu azul e uma calma maravilhosa, e noutra vez tudo isso desaparece num abrir e fechar de olhos. O belo e simples azul do céu ficou cinzento, a relva fresca sumiu e num espaço de poucos instantes Afonso estava no meio de uma tempestade e a escorregar na lama suja.

 

- O que é isto? – questiona, num murmúrio só seu.

 

- Não é a realidade, nem um sonho…

 

Alguém, ou alguma coisa responde.

 

- É uma ilusão! – sai a revelação, de uma voz distante e agora severa. – Nós somos os Naturales… - apresenta. - …e por mais que queiramos aceitar-te como um de nós, a tua vontade em salvar os vampiros não é maior que a nossa obrigação de acabar com eles!

 

Ouvindo com atenção, pressentindo através da expressão zangada daquela voz – que ainda assim parece calma – Afonso começa a demonstrar também algum descontentamento.

 

- Parem com isso! – pede, parecendo ordenar. – Tirem-me daqui! – insiste, depois de não obter mais resposta para além de chuva torrencial e um mar de lama. – Mostrem-se! Falem comigo! – continua, chapinhando na lama enquanto caminha de um lado para o outro, procurando qualquer coisa, alguém… - Façam qualquer coisa menos agir como cobardes!

 

A palavra “cobardes” ecoa por tempo indeterminado e Afonso chega a acreditar que ouvirá a sua voz ecoar pelo deserto para toda a eternidade. Mas entretanto, o chão enlameado desaparece, o céu cinzento fica negro – como numa noite sem lua, nem estrelas – e, rapidamente, sem nem sequer ter tempo para passar em como agir, Afonso lembra-se de Alice - aquela que cai na toca do coelho -, sentindo-se como ela, ainda que o seu instinto lhe diga que o País das Maravilhas não é o seu destino.

 

Ou a escuridão da toca é infinita, ou simplesmente não existe toca, apenas escuridão. Afonso entende que não saiu do mesmo sítio, ainda que a sensação de queda tenha sido evidente. Não! Não foi uma queda, mas sim aquela impressão de que lhe estão a sugar a vida novamente.

 

Ou… talvez… n sab… o q est a acotecr…

 

- Pai? Pai…?

 

Um deserto, uma tempestade, a Alice na Toca, a escuridão e agora a voz… Aquela voz maravilhosa, meiga…

 

- Socorro!

 

Depois do grito, ouve-se um choro. Mas Afonso continua na escuridão.

 

- Pai!

 

Outro grito. Afonso quer sair dali mas é como se estivesse preso. E não sabe sequer se está preso porque, nem sente o corpo.

 

- O que está a acontecer com a tua filha, aconteceu a todos nós! – aquela voz que apresentou os Naturales faz de novo a sua aparição. – Muitos morreram. Nós, os únicos restantes, devemos a vida ao único homem que capaz de nos libertar e controlar aquilo que somos…

 

Afonso não consegue falar. Está inexplicavelmente a ser obrigado a ouvir e calar. E essa incapacidade de se expressar torna-se insuportável enquanto continua a ouvir a sua filha, Luna, gritando por si.

 

A voz continua o seu relato.

 

- Esse homem é Joseph Morgan, e ele só encontrará a paz igual à que conseguiu para nós, com o fim dos vampiros!

 

Continua…

 

[Que tal? Curiosos para mais? - Volto em breve :D Até lá partilhem comigo a vossa opinião, aqui ou no facebook Lua Vermelha Segunda Temporada

 

Bjs <3 a autora]

 

ATUALIZAÇÃO:

Teaser de Pop Turns To Rock - Toxic - (com Catarina Mago) - sigam o link

https://www.youtube.com/watch?v=J_ammbdjflU

Toxic1-3set.JPG

 

 

Pág. 1/4

Sobre mim

foto do autor

Pesquisa Aqui

 

Sinopse

Era uma vez um colégio cravado no coração da serra de Sintra. Entre mistérios e perigos, o regresso de uma antiga guerra e uma vida aparentemente normal de adolescentes, um vampiro com 186 anos apaixonou-se por uma humana de 17 que, apenas (e só por acaso!) é filha do mais temido caçador de vampiros de sempre, "Jaguar". Ora! Este é só o excêntrico início de todos os problemas que farão a vida valer a pena...! Deixas-te morder?!

Aviso

Todos os textos publicados neste blog são apenas uma sugestão de continuação da série de vampiros da SIC, "Lua Vermelha", ou forma de a recordar. No fundo, pretendo simplesmente homenagear a história, dando-lhe o seguimento que imagino/desejo que tivesse. Não tenho qualquer intenção de plágio, não o considero como tal, e por isso agradeço o respeito e a preservação dos direitos de autor. Afinal, isto é paixão, mas dá trabalho :D

O Blog

Nasceu em 2012, com uma sugestão (pouco profissional...:D) de 2ªtemporada para "Lua Vermelha", que teve o seu fim oficial no mesmo ano. Por gosto da autora (Cláudia Silva) e apoio dos leitores, o Blog chegou à 3ªtemporada, havendo ainda espaço para posts de homenagem à obra de ficção e aos atores, intitulados "VIDA DE VAMP", "VampAtual" e "MEMÓRIASdeVAMPIRO". Após o final da Fanfic, em Novembro de 2017, foi anunciado pela autora que o Blog continuaria online, e que ganharia mais duas colunas: "Tudo Certo com Lua Vermelha" e "Tudo Errado com Lua Vermelha". Tudo o que foi publicado anteriormente, continua online.

Respeito

Gostaria de alertar todos os leitores/seguidores do blog para a prática do respeito entre todos, para comigo (autora) e para com os criadores/produtores e atores de "Lua Vermelha". Infelizmente, comentários desagradáveis e ofensivos já foram deixados por alguns "anónimos", o que me levou à decisão de moderar a liberdade para comentar, sendo que as vossas opiniões precisam da minha permissão para serem publicadas no blog. Apenas exijo respeito! Se forem respeitáveis com as palavras, o vosso comentário aparecerá na página, garanto! Obrigado!

As Imagens

Afim de evitar algum tipo de constrangimento, creio ser importante referir que, originalmente, as imagens que utilizo no blog, referentes a "Lua Vermelha", não são de minha autoria. Os direitos pertencem à SIC, à SP Televisão, ao fotógrafo José Pinto Ribeiro... e avisem-me caso falte alguém! :D Contudo, saibam que não publico qualquer imagem sem a editar/modificar primeiro, tornando-os algo minhas e do blog. Espero que respeitem e, claro!, apreciem!

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D