Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lua Vermelha

Sugestão de 2ª e 3ª temporada por Cláudia Silva. Tipo Fanfiction.

Lua Vermelha – 3ªtemporada - Episódio 57 – “Demónios”

Continuação…

Os propósitos de toda aquela conversa fiada de Beatriz são mais do que evidentes.

Consistem em lançar a pessoa num mar de dúvidas; fazê-la questionar-se sobre os seus actos e anseios; e envergonhar-se deles, talvez! Mas o ponto cimeiro da intenção é o atingir de um arrependimento por acções que ainda não foram cometidas, ou não terminadas.

Beatriz só quer impedir aquela bela e forte jovem, cuja alma está consideravelmente mais limpa de sangue que a sua, de terminar o que começou.

E Isabel está a par de tudo isso. Naturalmente, cedeu aos propósitos da vampira, afogando-se em dúvidas, questionando-se, mas, mesmo antes de aceitar o arrependimento, atreve-se a questionar antes a atitude da ex-líder, em vez da sua. Uma atitude demoníaca consome-a e disso não se apercebe ela.

- Dito assim, parece simples e justo deixar viver almas medíocres, pois, afinal, a morte não é mais do que um descanso eterno… - começa, voltando a manifestar-se ódio na sua postura. – Acreditas mesmo nisso? – atreve-se a questionar.

Parece-lhe agora que subestimou o lado obscuro de Isabel. A vampira enfrenta aquele olhar negro intimidante que nunca julgou algum dia vir realmente a temer. Não lhe passa pela cabeça ter medo de Isabel e muito menos tem medo por si. Na verdade, Beatriz teme as ações e as consequências de um instinto malvado que cresce na jovem à sua frente.

- Isabel… - pronuncia, como se chamasse pela alma de alguém que não está verdadeiramente ali, e deveria.

- Se acreditas mesmo nisso… - continua a filha do último verdadeiro Jaguar. – Porque não deixaste o meu pai viver? E o meu irmão bastardo…? E todos e quaisquer seres que sei que um dia mataste… - enumera, concentrando-se em Beatriz, aproximando-se ameaçadoramente. - Desde almas medíocres a inocentes, Beatriz! Quantos foram?

A ex-líder nunca acreditou em histórias que de tempos a tempos lhe chegavam aos ouvidos sobre demónios que possuíam os corpos de almas inocentes, mas no instante, vendo Isabel investir contra si, uma Isabel que não é realmente a que sempre conheceu, Beatriz poderia jurar que estava a ser atacada por um demónio e não pela mulher por quem o seu “irmão” se apaixonou perdidamente. Aquele olhar negro, aqueles punhos cerrados, aquela troca de palavras…



A sorrateira saída de Henrique, Jasmine, Brian e Victorious daquela espécie mal imitada de masmorra, esperava-se atribulada. Felizmente, e inesperadamente, alguma coisa, ou alguém, no interior do casarão atraiu os dois vampiros que contestavam a presença sossegada de Sandro no exterior, e que até o provocaram momentaneamente com piadas secas, esperando conseguir arrancar alguma coisa do rapaz.

Vendo Sandro entrar na mansão com os dois capangas que o chateavam, Akira faz sinal aos quatro e junta-se a eles à saída. Velozes, depressa se infiltram novamente no tédio da normalidade quotidiana da mansão, entre todos os outros.

É noite.

Entram na mansão, necessariamente discretos, embora a sua presença seja sempre algo a considerar importante de notar pelos moradores daquele lugar, e separados à vista de quem não os observa com perspicácia. – Henrique não se lembra de alguma vez ter sido tão discreto, nem tão prudente… Na verdade, pensa muito sobre isso, ultimamente! Estará a mudar? Será a idade? Que horror, não … – Reparam imediatamente que quase toda a população residente se encontra reunida num único salão e cedem aos caprichos da curiosidade quando vão averiguar.

O grupo reencontra-se novamente. Em silêncio, percorrem o salão ao encontro uns dos outros, ignorando os olhares dos restantes.

Ali dentro, aqueles seis são mais que um grupo, mais que amigos imediatos e já todos ali perceberam o perigo ou a sorte que isso lhes pode trazer.

Ali dentro, os seis mais novos são uma família e, ou fazem deles aliados, ou podem estar perdidos!

Sandro encontrava-se já entre os restantes. Sozinho na multidão, juntou-se imediatamente à família, mal viu o primeiro deles entrar na sala.

Os seis foram entretanto rodeados por todos os outros, como se se formasse uma barreira à volta deles, sem qualquer saída. Sem violência explícita, o espaço encolhe à volta deles e isso torna-se quase constrangedor… Mas pior! Sufocante!

Aqueles tipos parecem cada vez mais bem preparados para ingressar num exército. – Henrique pensa cada vez mais na hipótese…

No entanto, o sujeito que toma conta de toda aquela inesperada e inexplicável reunião de super-vampiros não está presente. Ainda…

- O quê que está para acontecer? – questiona Brian, sem deixar desvanecer o encanto da sua postura indomável.

Ninguém responde…

O grupo troca olhares entre si. Só Henrique se mantém afastado dessas cumplicidades da irmandade, parecendo ele enfrentar num silêncio descomunal e um olhar verdadeiramente desafiador apimentado com um sorriso sarcástico, um grandalhão mesmo ao seu lado que, acredita, parece querer espancar alguém com urgência.

Os dois desafiam-se, desconhecidos e ambos com vontade de soltar uns murros. Já todos os observam. E Henrique repara, só agora, que aquele sujeito com ar de Hulk demoníaco não era assim tão grande há uns tempos… Ou talvez anteriormente nem sequer tenha perdido tempo a olhá-lo…



A jovem Pilar está lá também, atrás de todos, recatada mas presente e sem tirar os olhos daquele grupinho ao centro. Martha aproxima-se e as duas vampiras trocam expressões de cumplicidade, selando uma amizade ainda mais verdadeira, agora na total partilha da realidade de cada uma.

A conversa que tiveram foi longa, mas esclarecedora. Temem o pior, e conhecem os perigos que podem vir a enfrentar e que, certamente, encararão, mas agora… Já não estão sozinhas!

- O que é tudo isto? – pergunta Pilar, mexendo apenas os lábios.

Martha faz-lhe um gesto com a mão, indicando uma das portas de saída daquele salão e Pilar percebe que, seja lá o que for, não serão necessárias ali.

- Sei que o Joseph vai perder algum tempo com eles… - revela, Martha. – Para uma última conversa! – completa, esperando que amiga saiba já do que se trata.

- Tal como fez connosco… Com todos aqui! – conclui Pilar.

- A típica lavagem cerebral… – sussurra Martha num murmúrio triste, enquanto ambas se afastam o mais possível do salão e, claro está, de tudo o resto.

Ninguém sentirá a falta delas, não só porque não são as únicas em falta na reunião, mas também porque aparentemente elas são das pessoas mais fiéis a Joseph, por ali.

E essa lealdade que têm expressado e reforçado perante o rei daquele castelo, é o trunfo que ambas sabem ter a seu favor!

- Poucos suportam… – recorda Martha, revivendo a memória dos dias a fio que se fechou sobre si mesma, a chorar por tudo o que Joseph lhe mostrou.

- E ele está a melhorar com o tempo… - comenta a outra, com desânimo. – Ele pode revelar muitas verdades, mas também inventa muitas mentiras para conseguir o que quer!

- Ele acredita que é o melhor para todos! – recorda Martha.

- Porque acredita que somos como ele, apenas por isso… – termina Pilar.

Certas de que caminham sozinhas naquele relvado, confiantes e astutas, as duas afastam-se como relâmpagos daquele lugar, penetrando na floresta que o envolve. Desaparecem…



Numa tentativa bastante falhada de retribuir o sorriso sarcástico, tão único, que o jovem vampiro lhe lança, o grandalhão sorri e abandona o desafio mútuo.

Henrique não apreciou nada aquele gesto, tal como não está a tolerar da melhor forma aquela estranha e desconfortável barreira de marionetas à sua volta. É óbvio que os estão encurralar… É claro que lhes vai acontecer alguma coisa…

Finalmente, ou infelizmente pela quantidade de preocupações que isso possa trazer-lhes, ouve-se a sonora elegância da chegada Joseph.

Continua…

AVISO: DEVIDO A PROBLEMAS TÉCNICOS NA EDIÇÃO DE POSTS TERÁ DE SER ADIADA A PUBLICAÇÃO DE "VIDA DE VAMP: Amores Platónicos".

- PS: Gostaram do episódio?

Bjs <3 a autora

5 comentários

Comentar Post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisa Aqui

 

Sinopse

Era uma vez um colégio cravado no coração da serra de Sintra. Entre mistérios e perigos, o regresso de uma antiga guerra e uma vida aparentemente normal de adolescentes, um vampiro com 186 anos apaixonou-se por uma humana de 17 que, apenas (e só por acaso!) é filha do mais temido caçador de vampiros de sempre, "Jaguar". Ora! Este é só o excêntrico início de todos os problemas que farão a vida valer a pena...! Deixas-te morder?!

Aviso

Todos os textos publicados neste blog são apenas uma sugestão de continuação da série de vampiros da SIC, "Lua Vermelha", ou forma de a recordar. No fundo, pretendo simplesmente homenagear a história, dando-lhe o seguimento que imagino/desejo que tivesse. Não tenho qualquer intenção de plágio, não o considero como tal, e por isso agradeço o respeito e a preservação dos direitos de autor. Afinal, isto é paixão, mas dá trabalho :D

O Blog

Nasceu em 2012, com uma sugestão (pouco profissional...:D) de 2ªtemporada para "Lua Vermelha", que teve o seu fim oficial no mesmo ano. Entretanto, por gosto da autora (Cláudia Silva) e apoio dos leitores, o Blog chegou à 3ªtemporada (melhor preparada do que a primeira...:D), havendo ainda espaço para posts de homenagem à obra de ficção e aos atores, intitulados "VIDA DE VAMP", "VampAtual" e, mais recentemente, "MEMÓRIASdeVAMPIRO". Tudo o que foi publicado anteriormente, continua online.

Respeito

Gostaria de alertar todos os leitores/seguidores do blog para a prática do respeito entre todos, para comigo (autora) e para com os criadores/produtores e atores de "Lua Vermelha". Infelizmente, comentários desagradáveis e ofensivos já foram deixados por alguns "anónimos", o que me levou à decisão de moderar a liberdade para comentar, sendo que as vossas opiniões precisam da minha permissão para serem publicadas no blog. Apenas exijo respeito! Se forem respeitáveis com as palavras, o vosso comentário aparecerá na página, garanto! Obrigado!

As Imagens

Afim de evitar algum tipo de constrangimento, creio ser importante referir que, originalmente, as imagens que utilizo no blog, referentes a "Lua Vermelha", não são de minha autoria. Os direitos pertencem à SIC, à SP Televisão, ao fotógrafo José Pinto Ribeiro... e avisem-me caso falte alguém! :D Contudo, saibam que não publico qualquer imagem sem a editar/modificar primeiro, tornando-os algo minhas e do blog. Espero que respeitem e, claro!, apreciem!

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D