Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Lua Vermelha

Sugestão de 2ª e 3ª temporada por Cláudia Silva. Tipo Fanfiction.

Lua Vermelha – 3ªtemporada - Episódio 63 – “O Azul do Céu”

[MENSAGEM: Olá caros leitores. Tomei uma decisão: Sei que tenho faltado muito por aqui, não que eu queira ou que possa evitar, mas tentando resolver a situação, decidi começar a escrever episódios mais pequenos (não em qualidade! - sou perfecionista), apenas para conseguir ser mais assídua e ter o blog mais ativo. Prometo que isso não vai prejudicar a qualidade :D Espero que entendam - E agora espero que gostem deste próximo episódio.]

 

Continuação…

 

- Hello, my friend! – cumprimenta Joseph, sarcástico, fingindo animação, empurrando a porta do cubículo com tanta violência como quem marca território e ciente de que deixa Alphonzo desorientado. – O que achas de um passeio? – questiona, ainda que a opinião alheia lhe seja indiferente.

 

Depressa gesticula para alguns dos seus capangas vampiros que, no entretanto, começam a desamarrar o jovem. Aproximando-se, Joseph surpreende Afonso com uma injecção no pescoço, provavelmente igual à que usou para o trazer ali, a ele, a Henrique e todos os outros.

 

- O que é isto? – frágil, Afonso contesta, enquanto alguns vampiros o imobilizam para que não se possa defender. – O que é isto? – insiste, agitado por não obter resposta e começando já a sentir uma ilusão agoniante de que vai perder a noção da gravidade.

 

Depois de alguns segundos, Afonso adormece num desmaio. Joseph admira-o com ódio no olhar.

 

- Sweet dreams… - deseja, trocista. – Espero que recuperes as forças… - começa, voltando-lhe as costas e sentindo-o ser arrastado pelos restantes. - … vais precisar delas! – termina, ao atravessar a saída.

 

 

Sentem-se como renascidos, e depressa se comparam a crias de vampiros. O grupo deixado para trás por Henrique, é afectado pelo choque e pela diferença, assistindo à mudança simultânea e radical uns dos outros.

 

A nova aparência assusta-os e confirma-lhes o que sabiam possível, mas que não desejavam ser real.

 

No entanto, a inegável sensação de surpresa e horror, é acompanhada por uma satisfação inexplicável em se sentirem mais fortes que nunca, e também mais sensíveis a tudo. E antes de perderem a consciência para se entregarem involuntáriamente ao instinto, percebem a falta de Henrique.

 

- Ele foi o primeiro a apagar… - lembra Victorious. - Também foi claramente o primeiro a retornar… - conclui, num tom nervoso, ainda sentando na terra macia, temendo movimentar-se.

 

- E deixou-nos aqui? – Brian questiona, rosnando as palavras.

 

Cada um vive a diferença à sua maneira, uns mais calmos, outros mais agitados.

 

- Tenho sede!... – Jasmine é a primeira a queixar-se, num murmúrio envergonhado.

 

Os três entreolham-se, concordando com o olhar a sensação mútua. Acabam por reparar nas expressões sofridas de Martha e Pilar, parecendo elas lidar com a mudança entrando num estado de demência.

 

Mas elas também ouviram e reagem da mesma forma. Os olhares de todos alteram-se. Perigosos e livres, parecem nem dar pela presença uns dos outros.

 

Tal como Henrique, desaparecem sem destino.

 

 

- Entrego-vos Alphonzo Stuart e o seu poder natural, como forma de gratidão e, confesso, necessidade de mais alguma protecção. – anuncia Joseph, para uma multidão de corpos em fila, no meio da floresta, que poderiam nem estar a ouvir e ninguém os julgaria. – Só por mais uns dias… I promise!

 

Afonso reage à voz que raramente se eleva. Joseph, percebe o ligeiro movimento do seu cativo e, enquanto uns três vampiros - entre eles Lucius, o denunciante da traição das amigas - preparam o local onde colocarão o jovem, o vampiro lança o aviso, não mais uma ameaça.

 

Agarra bruscamente o amado de Isabel pelos cabelos – este que se encontra insultuosamente mal seguro, literalmente pendurado pela força despreocupada de dois vampiros - forçando-o a encará-lo ainda que este mantenha os olhos fechados.

 

- Pensei bastante sobre a melhor vingança, sobre o que merecias e vacilei, admito… – começa. – Mas agora tenho a certeza! – garante, num sorriso maléfico que seria ainda mais perfeito se Alphonzo estivesse mesmo a vê-lo. - Nada como tornar-te parte da arma que vai ser a tua própria destruição!...

 

Num momento simultâneo e brusco por ser inesperado, os olhos daqueles seres adormecidos abrem-se. Intensos, e acinzentados. Poder corre-lhes nas veias. Como se até a Natureza lhes obedecesse.

 

Joseph ordena que deitem Afonso na mesma linhagem, entre os Naturales. E, no mesmo instante em que o deixam devidamente posicionado, os restantes fecham os olhos novamente, graciosos, voltando ao sono profundo. Afonso é esticado por cordas invisíveis, como se os restantes lhe sugassem cada sinal de vida e do seu dom único.

 

Ao contrário do que Joseph acredita, ou prefere acreditar, Afonso está consciente sim, psicologicamente, e entende já que cada pedaço de si que é puxado pelos Naturales, irá ser usado contra si, ou seja, contra quem ama.

 

Como um murmúrio distante, ouve Joseph falar, e tem certeza de que tudo o que ele diz se traduz naquilo que os Naturales estão a fazer.

 

O plano de Joseph é assegurar que pode estar em segurança durante dias enquanto treina os seus para enfrentar o exterior, a sede e tudo o mais, evitando que estes sejam derrotados com a sua própria força. O plano, é destruir os vampiros – nos quais se inclui a família de Afonso. O plano, é atrair Isabel e Luna e usá-las a seu favor tal como faz agora com Afonso e os Naturales

 

Mas Afonso também tem um plano, e assume-o no preciso momento em que se recusa frontalmente a abdicar de mais uma gota que seja da sua energia. O seu plano inclui salvar pessoas. E portanto tem que, e vai ser bem sucedido.

 

- NÃO! – grita Afonso, em sofrimento, mas poderoso, tomando algum do controlo para si.

 

Abre os olhos, negros agora, contorce-se, esperneia, grita mais, e mais, deixa evidente a sua vontade e consegue sentir algum do seu poder a correr nas suas veias novamente.

 

 

Luna foi dispensada do consílio convocado, depois de pedir, na verdade, exigir ao Mais Antigo – poucos podem! -, ficar sozinha, pensar e recuperar alguma energia. A única que contestou foi Isabel, obviamente preocupada, mas com a palavra máxima do vampiro chefe a garantir que tudo está bem com Luna e a impor a obrigação de estar no consílio, Isabel acabou por consentir.

 

Sozinha, no seu quarto do “Rouge Hotel”, agora quase vazio devido ao consílio, Luna encontra-se estendida num sofá como se realmente dormisse, quando sofre com convulsões e começa a sentir sangue escorrendo-lhe pelo nariz, enquanto ouve um grito vindo do nada e presente um poder imenso e desconhecido.

 

Mas nada. Mais nada para além de convulsões e sangue e, agora, vómitos. Nada mais. Como se alguém lhe estivesse a roubar alguma coisa, uma parte de si.

 

Chora.

 

 

Afonso é um contra nem se sabe quantos. Resiste, luta, mas a energia ali em causa é imensa e o jovem acaba por ser derrotado. E pior que ser derrotado, é sentir o seu dom fluir novamente para fora de si e não conseguir evitar, e saber que esse mesmo será usado por outros, outros que provavelmente nem conhecem a verdadeira verdade da situação.

 

Obviamente, e ninguém duvida, os Naturales estão ali a favor de Joseph e só ouvem e acreditam na sua versão da realidade.

 

O pai de Luna fecha os olhos, e deixa-se levar pela última imagem que se reflectiu neles: o céu. Tão azul quanto os olhos da sua menina. E vendo o céu, é nela que ele pensa e se sente feliz. Feliz e com esperança. Com esperança e com a certeza de que tudo vai acabar bem. Porque, pelo menos Luna, merece isso.

 

 

Continua…

 

[Olá Boa Noite! :D Espero que tenham gostado. Volto em breve. Até lá deixem a vossa opinião sobre o Episódio e a minha decisão. Sim, a vossa opinião conta! E muito!

 

Bjs <3 a autora]

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisa Aqui

 

Sinopse

Era uma vez um colégio cravado no coração da serra de Sintra. Entre mistérios e perigos, o regresso de uma antiga guerra e uma vida aparentemente normal de adolescentes, um vampiro com 186 anos apaixonou-se por uma humana de 17 que, apenas (e só por acaso!) é filha do mais temido caçador de vampiros de sempre, "Jaguar". Ora! Este é só o excêntrico início de todos os problemas que farão a vida valer a pena...! Deixas-te morder?!

Aviso

Todos os textos publicados neste blog são apenas uma sugestão de continuação da série de vampiros da SIC, "Lua Vermelha", ou forma de a recordar. No fundo, pretendo simplesmente homenagear a história, dando-lhe o seguimento que imagino/desejo que tivesse. Não tenho qualquer intenção de plágio, não o considero como tal, e por isso agradeço o respeito e a preservação dos direitos de autor. Afinal, isto é paixão, mas dá trabalho :D

O Blog

Nasceu em 2012, com uma sugestão (pouco profissional...:D) de 2ªtemporada para "Lua Vermelha", que teve o seu fim oficial no mesmo ano. Entretanto, por gosto da autora (Cláudia Silva) e apoio dos leitores, o Blog chegou à 3ªtemporada (melhor preparada do que a primeira...:D), havendo ainda espaço para posts de homenagem à obra de ficção e aos atores, intitulados "VIDA DE VAMP", "VampAtual" e, mais recentemente, "MEMÓRIASdeVAMPIRO". Tudo o que foi publicado anteriormente, continua online.

Respeito

Gostaria de alertar todos os leitores/seguidores do blog para a prática do respeito entre todos, para comigo (autora) e para com os criadores/produtores e atores de "Lua Vermelha". Infelizmente, comentários desagradáveis e ofensivos já foram deixados por alguns "anónimos", o que me levou à decisão de moderar a liberdade para comentar, sendo que as vossas opiniões precisam da minha permissão para serem publicadas no blog. Apenas exijo respeito! Se forem respeitáveis com as palavras, o vosso comentário aparecerá na página, garanto! Obrigado!

As Imagens

Afim de evitar algum tipo de constrangimento, creio ser importante referir que, originalmente, as imagens que utilizo no blog, referentes a "Lua Vermelha", não são de minha autoria. Os direitos pertencem à SIC, à SP Televisão, ao fotógrafo José Pinto Ribeiro... e avisem-me caso falte alguém! :D Contudo, saibam que não publico qualquer imagem sem a editar/modificar primeiro, tornando-os algo minhas e do blog. Espero que respeitem e, claro!, apreciem!

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D