Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lua Vermelha

Sugestão de 2ª e 3ª temporada por Cláudia Silva. Tipo Fanfiction.

Lua Vermelha – 3ªtemporada - Episódio 57 – “Demónios”

Continuação…

Os propósitos de toda aquela conversa fiada de Beatriz são mais do que evidentes.

Consistem em lançar a pessoa num mar de dúvidas; fazê-la questionar-se sobre os seus actos e anseios; e envergonhar-se deles, talvez! Mas o ponto cimeiro da intenção é o atingir de um arrependimento por acções que ainda não foram cometidas, ou não terminadas.

Beatriz só quer impedir aquela bela e forte jovem, cuja alma está consideravelmente mais limpa de sangue que a sua, de terminar o que começou.

E Isabel está a par de tudo isso. Naturalmente, cedeu aos propósitos da vampira, afogando-se em dúvidas, questionando-se, mas, mesmo antes de aceitar o arrependimento, atreve-se a questionar antes a atitude da ex-líder, em vez da sua. Uma atitude demoníaca consome-a e disso não se apercebe ela.

- Dito assim, parece simples e justo deixar viver almas medíocres, pois, afinal, a morte não é mais do que um descanso eterno… - começa, voltando a manifestar-se ódio na sua postura. – Acreditas mesmo nisso? – atreve-se a questionar.

Parece-lhe agora que subestimou o lado obscuro de Isabel. A vampira enfrenta aquele olhar negro intimidante que nunca julgou algum dia vir realmente a temer. Não lhe passa pela cabeça ter medo de Isabel e muito menos tem medo por si. Na verdade, Beatriz teme as ações e as consequências de um instinto malvado que cresce na jovem à sua frente.

- Isabel… - pronuncia, como se chamasse pela alma de alguém que não está verdadeiramente ali, e deveria.

- Se acreditas mesmo nisso… - continua a filha do último verdadeiro Jaguar. – Porque não deixaste o meu pai viver? E o meu irmão bastardo…? E todos e quaisquer seres que sei que um dia mataste… - enumera, concentrando-se em Beatriz, aproximando-se ameaçadoramente. - Desde almas medíocres a inocentes, Beatriz! Quantos foram?

A ex-líder nunca acreditou em histórias que de tempos a tempos lhe chegavam aos ouvidos sobre demónios que possuíam os corpos de almas inocentes, mas no instante, vendo Isabel investir contra si, uma Isabel que não é realmente a que sempre conheceu, Beatriz poderia jurar que estava a ser atacada por um demónio e não pela mulher por quem o seu “irmão” se apaixonou perdidamente. Aquele olhar negro, aqueles punhos cerrados, aquela troca de palavras…



A sorrateira saída de Henrique, Jasmine, Brian e Victorious daquela espécie mal imitada de masmorra, esperava-se atribulada. Felizmente, e inesperadamente, alguma coisa, ou alguém, no interior do casarão atraiu os dois vampiros que contestavam a presença sossegada de Sandro no exterior, e que até o provocaram momentaneamente com piadas secas, esperando conseguir arrancar alguma coisa do rapaz.

Vendo Sandro entrar na mansão com os dois capangas que o chateavam, Akira faz sinal aos quatro e junta-se a eles à saída. Velozes, depressa se infiltram novamente no tédio da normalidade quotidiana da mansão, entre todos os outros.

É noite.

Entram na mansão, necessariamente discretos, embora a sua presença seja sempre algo a considerar importante de notar pelos moradores daquele lugar, e separados à vista de quem não os observa com perspicácia. – Henrique não se lembra de alguma vez ter sido tão discreto, nem tão prudente… Na verdade, pensa muito sobre isso, ultimamente! Estará a mudar? Será a idade? Que horror, não … – Reparam imediatamente que quase toda a população residente se encontra reunida num único salão e cedem aos caprichos da curiosidade quando vão averiguar.

O grupo reencontra-se novamente. Em silêncio, percorrem o salão ao encontro uns dos outros, ignorando os olhares dos restantes.

Ali dentro, aqueles seis são mais que um grupo, mais que amigos imediatos e já todos ali perceberam o perigo ou a sorte que isso lhes pode trazer.

Ali dentro, os seis mais novos são uma família e, ou fazem deles aliados, ou podem estar perdidos!

Sandro encontrava-se já entre os restantes. Sozinho na multidão, juntou-se imediatamente à família, mal viu o primeiro deles entrar na sala.

Os seis foram entretanto rodeados por todos os outros, como se se formasse uma barreira à volta deles, sem qualquer saída. Sem violência explícita, o espaço encolhe à volta deles e isso torna-se quase constrangedor… Mas pior! Sufocante!

Aqueles tipos parecem cada vez mais bem preparados para ingressar num exército. – Henrique pensa cada vez mais na hipótese…

No entanto, o sujeito que toma conta de toda aquela inesperada e inexplicável reunião de super-vampiros não está presente. Ainda…

- O quê que está para acontecer? – questiona Brian, sem deixar desvanecer o encanto da sua postura indomável.

Ninguém responde…

O grupo troca olhares entre si. Só Henrique se mantém afastado dessas cumplicidades da irmandade, parecendo ele enfrentar num silêncio descomunal e um olhar verdadeiramente desafiador apimentado com um sorriso sarcástico, um grandalhão mesmo ao seu lado que, acredita, parece querer espancar alguém com urgência.

Os dois desafiam-se, desconhecidos e ambos com vontade de soltar uns murros. Já todos os observam. E Henrique repara, só agora, que aquele sujeito com ar de Hulk demoníaco não era assim tão grande há uns tempos… Ou talvez anteriormente nem sequer tenha perdido tempo a olhá-lo…



A jovem Pilar está lá também, atrás de todos, recatada mas presente e sem tirar os olhos daquele grupinho ao centro. Martha aproxima-se e as duas vampiras trocam expressões de cumplicidade, selando uma amizade ainda mais verdadeira, agora na total partilha da realidade de cada uma.

A conversa que tiveram foi longa, mas esclarecedora. Temem o pior, e conhecem os perigos que podem vir a enfrentar e que, certamente, encararão, mas agora… Já não estão sozinhas!

- O que é tudo isto? – pergunta Pilar, mexendo apenas os lábios.

Martha faz-lhe um gesto com a mão, indicando uma das portas de saída daquele salão e Pilar percebe que, seja lá o que for, não serão necessárias ali.

- Sei que o Joseph vai perder algum tempo com eles… - revela, Martha. – Para uma última conversa! – completa, esperando que amiga saiba já do que se trata.

- Tal como fez connosco… Com todos aqui! – conclui Pilar.

- A típica lavagem cerebral… – sussurra Martha num murmúrio triste, enquanto ambas se afastam o mais possível do salão e, claro está, de tudo o resto.

Ninguém sentirá a falta delas, não só porque não são as únicas em falta na reunião, mas também porque aparentemente elas são das pessoas mais fiéis a Joseph, por ali.

E essa lealdade que têm expressado e reforçado perante o rei daquele castelo, é o trunfo que ambas sabem ter a seu favor!

- Poucos suportam… – recorda Martha, revivendo a memória dos dias a fio que se fechou sobre si mesma, a chorar por tudo o que Joseph lhe mostrou.

- E ele está a melhorar com o tempo… - comenta a outra, com desânimo. – Ele pode revelar muitas verdades, mas também inventa muitas mentiras para conseguir o que quer!

- Ele acredita que é o melhor para todos! – recorda Martha.

- Porque acredita que somos como ele, apenas por isso… – termina Pilar.

Certas de que caminham sozinhas naquele relvado, confiantes e astutas, as duas afastam-se como relâmpagos daquele lugar, penetrando na floresta que o envolve. Desaparecem…



Numa tentativa bastante falhada de retribuir o sorriso sarcástico, tão único, que o jovem vampiro lhe lança, o grandalhão sorri e abandona o desafio mútuo.

Henrique não apreciou nada aquele gesto, tal como não está a tolerar da melhor forma aquela estranha e desconfortável barreira de marionetas à sua volta. É óbvio que os estão encurralar… É claro que lhes vai acontecer alguma coisa…

Finalmente, ou infelizmente pela quantidade de preocupações que isso possa trazer-lhes, ouve-se a sonora elegância da chegada Joseph.

Continua…

AVISO: DEVIDO A PROBLEMAS TÉCNICOS NA EDIÇÃO DE POSTS TERÁ DE SER ADIADA A PUBLICAÇÃO DE "VIDA DE VAMP: Amores Platónicos".

- PS: Gostaram do episódio?

Bjs <3 a autora

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisa Aqui

 

Sinopse

Era uma vez um colégio cravado no coração da serra de Sintra. Entre mistérios e perigos, o regresso de uma antiga guerra e uma vida aparentemente normal de adolescentes, um vampiro com 186 anos apaixonou-se por uma humana de 17 que, apenas (e só por acaso!) é filha do mais temido caçador de vampiros de sempre, "Jaguar". Ora! Este é só o excêntrico início de todos os problemas que farão a vida valer a pena...! Deixas-te morder?!

Aviso

Todos os textos publicados neste blog são apenas uma sugestão de continuação da série de vampiros da SIC, "Lua Vermelha", ou forma de a recordar. No fundo, pretendo simplesmente homenagear a história, dando-lhe o seguimento que imagino/desejo que tivesse. Não tenho qualquer intenção de plágio, não o considero como tal, e por isso agradeço o respeito e a preservação dos direitos de autor. Afinal, isto é paixão, mas dá trabalho :D

O Blog

Nasceu em 2012, com uma sugestão (pouco profissional...:D) de 2ªtemporada para "Lua Vermelha", que teve o seu fim oficial no mesmo ano. Por gosto da autora (Cláudia Silva) e apoio dos leitores, o Blog chegou à 3ªtemporada, havendo ainda espaço para posts de homenagem à obra de ficção e aos atores, intitulados "VIDA DE VAMP", "VampAtual" e "MEMÓRIASdeVAMPIRO". Após o final da Fanfic, em Novembro de 2017, foi anunciado pela autora que o Blog continuaria online, e que ganharia mais duas colunas: "Tudo Certo com Lua Vermelha" e "Tudo Errado com Lua Vermelha". Tudo o que foi publicado anteriormente, continua online.

Respeito

Gostaria de alertar todos os leitores/seguidores do blog para a prática do respeito entre todos, para comigo (autora) e para com os criadores/produtores e atores de "Lua Vermelha". Infelizmente, comentários desagradáveis e ofensivos já foram deixados por alguns "anónimos", o que me levou à decisão de moderar a liberdade para comentar, sendo que as vossas opiniões precisam da minha permissão para serem publicadas no blog. Apenas exijo respeito! Se forem respeitáveis com as palavras, o vosso comentário aparecerá na página, garanto! Obrigado!

As Imagens

Afim de evitar algum tipo de constrangimento, creio ser importante referir que, originalmente, as imagens que utilizo no blog, referentes a "Lua Vermelha", não são de minha autoria. Os direitos pertencem à SIC, à SP Televisão, ao fotógrafo José Pinto Ribeiro... e avisem-me caso falte alguém! :D Contudo, saibam que não publico qualquer imagem sem a editar/modificar primeiro, tornando-os algo minhas e do blog. Espero que respeitem e, claro!, apreciem!

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D