Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lua Vermelha

Sugestão de 2ª e 3ª temporada por Cláudia Silva. Tipo Fanfiction.

Lua Vermelha – 3ªtemporada - Episódio 58 – “Selvagens e Poderosas”

INFORMAÇÃO: O post "VampAtual: Março 2015" já está disponível com imagens.

Brevemente, a continuação de "VIDA DE VAMP: Amores Platónicos" e o segundo "MEMÓRIASdeVAMPIRO".

Por agora, um novo episódio... Tenham uma boa leitura :D

 

Continuação…

 

Ao passo que o vampiro avança, num festejo antecipado de uma vitória inexistente ainda, os que estão no seu caminho vão-se desviando, até que ele pára, ao centro, enfrentando os seus curiosos e ferozes últimos seis resgatados.

 

Esta é definitivamente a sua última oportunidade. Terá que ser persuasivo.

 

 

- Não passas de uma hipócrita, Beatriz! – grita Isabel, numa fúria gutural.

 

Naquela sua estranha movimentação inconsciente, a vampira continua a recuar lentamente à medida que Isabel se aproxima, diabólica, firme e indestrutível. - Não é medo. – repete para si mesma. E não desistirá até que a humanidade da jovem volte a ofuscar quaisquer das suas possíveis tendências assassinas.

 

- Não sejas estúpida e inconsequente e muito menos fales de hipocrisia! – replica Beatriz, num aviso ameaçador que sugere calma. - Estamos a falar daquilo que tu és! – lembra, elevando o tom de voz, deixando que Isabel a enfrente. - Podes ser muita coisa, mas uma assassina inconsciente?! – termina em questão, num sorriso desdenhoso que subestima a raiva da mãe de Luna.  

 

Frente a frente, olhos nos olhos.

 

Isabel não se parece consigo mesma.

 

Beatriz não reconhece aquele olhar.

 

A vampira parou de recuar. - Será uma ameaça? - Isabel nem se interessa por saber. Não se importa se assim realmente for.

 

- Quem é que tu pensas que és? – questiona, num murmúrio intimidante. – Eu sei quem sou e melhor ainda… Sei o que quero! Espero que consigas viver com isso…

 

- Sabes o que queres?! Olha bem para ti… - aconselha Beatriz, e por mais que lhe custe, sem nunca deixar de fixar aquele olhar negro, profundo, infernal, provocando-o.

 

Incapaz de se mover, incrédula na sua insignificância, Filomena parece desejar um confronto imediato entre a vampira e a sobrinha, aquele ser que já nada de humano deverá ter. Oh, sim. Que haja luta! Rapidamente! Para que a mulher possa desaparecer sem ser vista.

 

- Olha para ti antes de falares de mim! – sugere Isabel, algo no seu subconsciente evitando o despertar.

 

Enfrentam-se. Cheias de razão. Selvagens e poderosas. E é nessa pequena semelhança que está o perigo pois, ainda assim, são tão diferentes…!

 

- Eu sou uma vampira, Isabel. – afirma Beatriz, triunfante nas suas palavras. – Um ser genialmente concebido para matar! – reforça, exibindo os seus afiados caninos e um olhar vermelho intenso que defronta o de Isabel, sombrio. – Ao contrário de ti! - garante, arrastando o olhar sob a figura angélica da jovem, confirmando as suas certezas. – Espero que consigas viver com isso… - termina, repetindo em provocação, reencontrando os olhos de Isabel.

 

A amada de Afonso, ou um vulto daquilo que ela seria, mantém a sua atitude num silêncio breve, mas angustiante, antes de responder.

 

- Caso te falhe a memória, vários factos da minha vida podem garantir-te que não sabes do que estás a falar. – começa, com uma serena razão temível. – Primeiro Jaguar, agora um ser cuja existência falta explicar… - enumera.

 

Filomena observa. Nunca mais…?

 

- Chego a ter pena de ti… - despreza Beatriz, sincera. – Tão inocente, amável, ingénua… - descreve.

 

- Inocente?! Amável?! Ingénua?! Não me lembro de alguma vez ter agido assim contigo…

 

- Talvez nunca, mesmo! – confirma. – Mas só uma miúda inocente, amável e ingénua se apaixonaria por um vampiro… – comenta num murmúrio.

 

Saberá Beatriz o que está a dizer? Saberá Isabel o que ela quer dizer?

 

A verdade é que depois daquela afirmação, parte do véu negro que cobria o olhar de Isabel desapareceu, como se ela se lembrasse que, realmente, se apaixonou por um vampiro e o aceitou como tal, sem nunca ter pensado na hipótese de ele realmente ter assassinado alguém…

 

Mas o ódio permanece. Isabel luta contra a bondade dos seus instintos. Beatriz reconhece isso perspicazmente.

 

- Faz o que quiseres! – acaba por dizer a vampira, numa sábia malícia. - Mata-os! Força! – incentiva, numa proposta tentadora.

 

Beatriz toma o perigoso risco de realmente desafiar aquela faceta obscura de Isabel.

 

E Isabel acaba de ser surpreendida.

 

Espera um instante. Observa o leve sorriso vampiresco de Beatriz e quase lhe inveja o olhar encarnado cintilante. Ela deverá ter algo mais a dizer…

 

- E? – questiona, percebendo o propósito do silêncio, assumindo-o como um truque da vampira para suscitar a sua curiosidade e cedendo ao impulso.

 

- Mata-os! – continua ela a insistir. - Só não te esqueças de o fazer a pensar naquilo que eras quando o Afonso se apaixonou perdidamente por ti; pensa naquilo que ele era e na quantidade de vezes que te protegeu dele mesmo; e pensa na tua filha! Foi ela que te tornou naquilo que és hoje… Não a consideras uma assassina, consideras? – debate, malévola na sua inteligência.

 

- Não te admito… - inicia Isabel, novamente impaciente.

 

- E mais! – continua Beatriz, interrompendo. – Pensa no sofrimento da tua filha para evitar que o mundo desabe, enquanto estás aqui, a brincar aos assassinos!

 

- Chega! – grita ela.

 

Isabel, ou a sua incontrolável raiva, arrisca um golpe contra Beatriz. A vampira agarra-lhe o braço, antecipando-se, experiente e violenta.

 

- Mata-os e nem te atrevas a vir chorar nos meus ombros mais tarde! – atira, indiferente.

 

- Não te aguento mais! – admite Isabel num berro estridente, libertando-se da mão forte da vampira. – O quê que vieste aqui fazer? Impedir-me de quê? Tu já não mandas aqui… Se é que alguma vez mandaste! – questiona, diabólica e imparável. – Estamos em perigo mais uma vez, provavelmente, pela tua incompetência! Já pensaste nisso? – termina, também inconsequente.

 

Aquela não é Isabel, mas as palavras que ouve sair da boca dela parecem-lhe demasiado reais na sua pela sinceridade e razão. Beatriz pode até consentir, concordar, mas de certo não o demonstrará e não cederá à demoníaca vontade daquela miúda.  

 

- Não te admito que venhas para aqui falar sobre o que eu sou ou deveria ser! Por tua causa, o Afonso desapareceu! – acusa a filha do falecido Jaguar, fora de si, inconsciente.

 

- É bom que comeces a pensar no que estás a dizer… - ameaça Beatriz, incapaz de continuar a ouvir e calar, quase a fraquejar.

 

Primeiro Henrique, depois Afonso. Agora Isabel parece perdida. Será mesmo culpa sua?

 

- Estou farta de ti! – a honestidade de Isabel atinge a vampira como uma lâmina de prata que a queima, e a própria sabe disso, tanto quanto sabe que a vampira não o demonstrará.

 

Isabel reage ao ódio, empurrando Beatriz e acertando-lhe um golpe no queixo. A vampira recua com o ataque certeiro. Vitoriosa, aquela aparição diabólica de Isabel sorri, sabendo que Beatriz pensava demasiado nas palavras que ouvia para evitar a agressão e defender-se.

 

O que Isabel não esperava, enquanto sorria, é que Beatriz fosse tão rápida e ágil no contra-ataque, dirigindo-lhe um soco à cara, ao nariz, que a faz contorcer-se e quase a atira ao chão. Depois, agarra-a pelos cabelos, evitando a queda enquanto lhe sussurra algo ao ouvido com igual ódio.

 

- Se te serve de consolo: o Henrique também desapareceu e eu já não sou líder!

 

- Então pára de agir como tal! – implora Isabel, numa necessidade perversa.

 

Isabel tenta mais um golpe mas falha. O seu ódio é cego. Beatriz empurra-a, libertando-a com violência, numa tentativa indirecta de lhe mostrar que a raiva lhe consume até a capacidade de se concentrar para uma boa luta com uma boa adversária.

 

- Eu vim aqui para evitar que cometesses uma loucura! – lembra, elevando a voz, novamente. - Entretanto, fartei-me, e até te incentivei a fazer o que tanto pensas desejar… Estás à espera de quê? – questiona, Beatriz. – Mata-os! – insiste, vendo-a erguer-se lentamente. - Não me digas que afinal… Não és capaz?! – sorri, maliciosa. – Deixa-me mostrar-te como é fácil…

 

No momento, Filomena preparava-se para a fuga. Sim, aquele instante era o ideal até que elas pararam o desafio e, de repente, uma vampira se dirigia a ela. Caninos brancos e sedentas, afiados certamente, e um olhar sinistro, inesquecível, caso sobreviva.

 

Como é óbvio, uma humana não consegue fugir a uma vampira! Mas não custa tentar a sorte…

 

Quando se preparava para correr, olhando Beatriz e Isabel e a fúria de ambas e entre ambas, a mulher sente umas mãos agarrarem-lhe os braços, fazendo dela uma presa demasiado fácil. Um corpo frio, inesperado e rápido, puxa-a contra si. Filomena grita. Depois, umas cócegas frias e dolorosas no pescoço. Escuridão.

 

O vampiro, inesperado ali e claramente esfomeado, ignora os olhares enquanto deixa Filomena cair inconsciente no chão. Não a matou.

 

Beatriz e Isabel mantêm as mesmas expressões indecifráveis. Assustadoramente indiferentes enquanto observam.

 

Lindo. A sua pele tão perfeitamente bronzeada sugere origens africanas e contrasta com uns deslumbrantes olhos dourados.

 

- Vinha exigir que parassem de lutar…! – confessa o vampiro, a sua voz grave e marcante. – Mas entretanto… - continua, com os seus magníficos olhos dourados observando agora a mulher inanimada aos seus pés e voltando-se novamente para as duas rivais. – Deu-me uma fome! – admite, desvendando as suas presas atrás de um sorriso perigoso e inocente.

 

Continua…

 

[Boa Tarde! Espero que tenham gostado do novo episódio :D Deixem sempre a vossa opinião! E podem seguir o facebook Lua Vermelha Segunda Temporada para mais novidades. Volto em breve.

PS: Novamente, peço desculpa pela falta dos posts "VIDA DE VAMP" prometidos, que não foram publicados devido a problemas técnicos.

 

Bjs <3 a autora]

2 comentários

Comentar Post

Aviso

Todos os textos publicados neste blog são do género FANFIC, ou seja, apenas uma sugestão de continuação da série de vampiros da SIC, "Lua Vermelha", ou forma de a recordar. No fundo, pretendo simplesmente homenagear a história, dando-lhe o seguimento que imagino/desejo que tivesse. Não tenho qualquer intenção de plágio, não o considero como tal, e por isso agradeço o respeito e a preservação dos direitos de autor. Afinal, isto é paixão, mas dá trabalho :D

Pesquisa Aqui

 

Respeito

Gostaria de alertar todos os leitores/seguidores do blog para a prática do respeito entre todos, para comigo (autora) e para com os criadores/produtores e atores de "Lua Vermelha". Infelizmente, comentários desagradáveis e ofensivos já foram deixados por alguns "anónimos", o que me levou à decisão de moderar a liberdade para comentar, sendo que as vossas opiniões precisam da minha permissão para serem publicadas no blog. Apenas exijo respeito! Se forem respeitáveis com as palavras, o vosso comentário aparecerá na página, garanto! Obrigado!

O Blog

Nasceu em 2012, com uma sugestão (pouco profissional...:D) de 2ªtemporada para "Lua Vermelha", que teve o seu fim oficial no mesmo ano. Por gosto da autora (Cláudia Silva) e apoio dos leitores, o Blog chegou à 3ªtemporada, havendo ainda espaço para posts de homenagem à obra de ficção e aos atores, intitulados "VIDA DE VAMP", "VampAtual" e "MEMÓRIASdeVAMPIRO". Após o final da Fanfic, em Novembro de 2017, foi anunciado pela autora que o Blog continuaria online, e que ganharia mais duas colunas: "Tudo Certo com Lua Vermelha" e "Tudo Errado com Lua Vermelha". Tudo o que foi publicado anteriormente, continua online.

Sinopse

Era uma vez um colégio cravado no coração da serra de Sintra. Entre mistérios e perigos, o regresso de uma antiga guerra e uma vida aparentemente normal de adolescentes, um vampiro com 186 anos apaixonou-se por uma humana de 17 que, apenas (e só por acaso!) é filha do mais temido caçador de vampiros de sempre, "Jaguar". Ora! Este é só o excêntrico início de todos os problemas que farão a vida valer a pena...! Deixas-te morder?!

As Imagens

Afim de evitar algum tipo de constrangimento, creio ser importante referir que, originalmente, as imagens que utilizo no blog, referentes a "Lua Vermelha", não são de minha autoria. Os direitos pertencem à SIC, à SP Televisão, ao fotógrafo José Pinto Ribeiro... e avisem-me caso falte alguém! :D Contudo, saibam que não publico qualquer imagem sem a editar/modificar primeiro, tornando-os algo minhas e do blog. Espero que respeitem e, claro!, apreciem!

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D