Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lua Vermelha

Sugestão de 2ª e 3ª temporada por Cláudia Silva. Tipo Fanfiction.

Lua Vermelha – 3ªtemporada - Episódio 61 – “A Revolta” – Parte 2

Tenham uma ótima leitura!

 

Continuação…

 

- NO! NO! NO!Joseph grita em necessidade de negação, tentando convencer-se de que os seus planos não podem estar a ser manipulados por outros. – Ungrateful little bastards! – continua, ignorando não estar sozinho.

 

Quebrando os praguejos do inglês, Lucius atreve-se a tomá-los como claramente inúteis no momento.

 

- Evitando mais perdas de tempo… - começa, insultantemente quase tão majestoso quanto Morgan – Sugiro, com o maior respeito, que voltemos para casa e nos preparemos o mais rápido possível para sair daqui, vingar a traição das tuas, aparentemente, mais fiéis amigas, e evitar males maiores que os outros quatro insolentes podem criar contra nós!

 

André assiste a tudo, desde o início, quieto, calado, apenas pensando demasiado. Tendo eles deixado Alphonzo Stuart para trás, deverão voltar em breve certamente, e é preciso que alguém, como ele mesmo, se prepare e facilite a partir de dentro, a derrocada do mesmo império. André viu como é possível testar poderes maiores e desconhecidos apenas com a força da vontade e desejou tê-lo feito no mesmo instante. Mas o seu pensamento, silencioso, discreto, pacato como sempre, estava afinal a uma impressionante distância à frente do dos outros. Joseph precisa de acreditar que nem tudo está perdido. Alphonzo precisa de apoio. Os seis que partirão, agradecerão no retorno.

 

Joseph recompõe-se, com dificuldade, raiva transparecendo no seu rosto, na respiração acelerada, nas mãos em punho.

 

- Tens razão, jovem Lucius. – admite, algo ofendido, mas acreditando que isso o valorizará como líder. – E que traição tão grande foi essa afinal?! – questiona, autoritário. - Não que eu esteja a duvidar das tuas palavras… Elas mesmas entregaram-se quando fugiram… Mas…

 

- Elas só anteciparam os planos escritos nessa carta… - replica Lucius, apontando para o papel no chão, com desprezo. – Pretendiam sair daqui, combinar um encontro com as duas conspiradoras malucas de sempre e quem quer que tenham mobilizado, e ajudá-las.

 

Uma breve agitação entre o grupo faz-se sentir ao som das palavras cuspidas de Lucius, arrogante.

 

- Então apressemo-nos! – intervém Joseph com uma nova urgência, antes que Lucius tente assumir novamente o comando.

 

Uma raiva infinita transparece nos seus passos apressados, punhos cerrados e olhar sombrio. Todos abrem caminho para que Joseph passe, evitando interferir no seu caminho.

 

– Tragam o prisioneiro! – ordena, referindo-se a Alphonzo Stuart. – Com o poder dele… - começa, parando por instantes para encarar o grupo. – Um poder fortificado pela mágoa da saudade, raiva, tristeza, amor… - esclarece, apreciando cada factor com um sorriso forçado. – Eles vão tornar-se ainda mais fortes!

 

- Mas ele tem vontade própria, não vai deixar que usem o seu poder, e pode acabar por destruir a barreira de vez… - intervém André a gaguejar, arrependendo-se de ter falado no exacto momento.

 

Todos o analisam com olhares de ameaça e desprezo. Joseph retoma as suas passadas largas, furiosas, mas em ao vampiro, que se encontrava discreto atrás de todos.

 

- Ele não sabe controlar o próprio poder! Não faz ideia sobre como e para quê, o usar! – esclarece, altivo e em desdém. - Os outros vão canalizá-lo e servir-se do poder dele, a seu favor! – continua, admirando o olhar inocente e assustado de uma das suas mais recentes aquisições. – Ou, a nosso favor! – corrige, num sorriso. - Simples! – conclui, mesquinho, gozando-o, como se acabasse de explicar a alguém muito estúpido, a coisa mais fácil do mundo.

 

O que ele não sabe, ou simplesmente tende em ignorar, é que na realidade André sempre foi uma inteligência nata, escondida pela modéstia e alguma timidez, e que acaba de perceber que a razão por ser tão subestimado por todos, é o medo que tem dos superiores, o medo que lhe foi imposto cruelmente desde a infância, e mantido mais tarde por uma carreira promissora pouco valorizada pelos colegas ditos guerreiros.

 

André está prestes a libertar-se de si mesmo. Vê Joseph afastar-se, impunemente e vitorioso antes sequer que a verdadeira guerra tenha chegado, ignora que os outros o seguem e que deveria fazer o mesmo, mantendo-se perdido no pensamento enquanto o compara inevitavelmente a Raul Andrade. Também esse se achava superior, aclamava o fim dos vampiros e acabou na pior imagem da verdadeira hipocrisia, um monstro pior que os próprios que julgava.

 

Quando decide seguir o grupo, admitindo manter uma suposta submissão por fins maiores, já André tinha previsto o futuro de Joseph, reflectido no de Raul.

 

 

Atravessar foi mais fácil do que pensavam. Bastou vontade, uma dose de atitudes impulsivas e um espírito que de tão rebelde se revela livre de qualquer controlo desconhecido e temido.

 

O problema mesmo e agora é a agonia profunda que os tortura, uma reviravolta no estômago, uma sede desconhecida, a visão algo turva…

 

- O quê que está a acontecer!? – Jasmine implora a resposta, sentindo que vai perder os sentidos a qualquer momento.

 

- Vocês! – acusa Henrique num grito, apontando com severidade para Pilar e Martha, ignorando que ambas estão potencialmente a passar pelo mesma agonia. – Que lugar é este e o quê que está a acontecer? – exige, impondo-se, ainda que uma sensação de vómito o deixe incapaz de qualquer ataque.

 

- Estamos mais perto de Sintra do que pensas… - começa Pilar, ajoelhando-se no chão como quem se rende ao inevitável, enquanto pensa acalmar os ânimos com o que acaba de dizer…

 

Henrique não consegue ver bem, náuseas afectam-no de tal forma que a própria terra parece balançar à sua volta. Simplesmente, não dá para identificar o local onde está.

 

- E caso não te lembres! – intervém Martha, ofendida com a forma como ele as trata. – Atravessar implica assumir uma outra natureza! – relembra, também ela necessitando de se agarrar a alguma coisa estável.

 

Vampiros que se alimentam de vampiros. Pois… Talvez devam pensar em arranjar um nome mais simples para essa nova aterrorizante espécie que Joseph parece estar a conseguir criar. A ideia de bluff era demasiado conveniente para ser real.

 

- Seja lá o que for, não vou ficar aqui! – pragueja Brian, tropeçando nos próprios passos, enquanto se afasta o mais rápido que consegue.

 

 

Quando James adivinha o próximo passo daquele demónio que já imobilizou Beatriz e que, entretanto, atirou Isabel pelos ares com uma forma descomunal, enquanto esta tentava libertar a ex-líder, decide dar finalmente uso à arma que trouxe consigo durante a viagem até Sintra. Um punhal dourado, com uma impressionante lâmina de prata revela-se nas suas mãos. Achou que poderia precisar dele durante a viagem e, percebe agora, que o seu instinto estava a prepará-lo para a chegada. O vampiro, que parecia inconsciente ainda há alguns minutos, preparava-se para cravar os dentes no pescoço de Beatriz quando James o apunhalou pelas costas, aproveitando a distracção que a estranha sede por sangue de vampiro lhe causava.

 

- Boas noticias?! – propõe James, a adrenalina fazendo-o estremecer. – Este tipo acaba de morrer tal como qualquer um de nós…! – sorri, forçadamente.

 

- Más notícias?! – continua Beatriz, imitando-o com alivio, alegria e medo num conjunto aterrorizador, fazendo-a pensar o pior. – De onde veio este, virão mais! – termina.

 

- Dimitri. – conclui Isabel.

 

Pensamentos em sintonia, mais palavras não são necessárias para expressar o facto óbvio que acabou de se manifestar mesmo ali, à frente de todos.

 

- Criar vampiros que anseiam sangue de vampiros, parece-me um plano tão absurdo quanto perfeito para alguém que pretende acabar com a própria raça! – a voz de Mais Antigo ecoa até eles, vinda do outro lado do jardim.

 

No mesmo instante em que falou a alguns metros deles, Mais Antigo e Luna estavam já entre eles.

 

- Filha…! – Isabel abraça Luna instantaneamente, num carinho incondicional. – Desculpa… Eu… - gagueja, calculando que a jovem possa saber que ainda há poucos momentos a própria mãe era um demónio.

 

- Eu sei, mãe… - com um sorriso leve estampado no rosto, aceitando o abraço da mãe, Luna mostra que sabe mesmo tudo, e que não a julgará pelo que seja.

 

- Isabel, o que quer que tenha acontecido aqui… - intervém James, tentando esclarecer e acalmar a situação no que respeita a esse assunto. – Vamos esquecer, por agora! – sugere. - Está tudo bem! – garante, e volta-se para a ex-líder. - Está, não está?!

 

- Por agora… Sim! – aceita a vampira, tapando algo no seu braço esquerdo com a mão direita, de forma suspeita, como se não quisesse instalar preocupação.

 

 

- Renato! – chama Vasco, ainda antes de entrar. - Precisas de alguma coisa, por aqui?

 

Empenhado em conquistar a confiança e respeito de todos, mostrando-se sempre disponível, preocupado e prestável, Vasco chega ao Bloody Mary, ainda desconhecendo alguns dos novos problemas que a comunidade enfrenta, e despreparado para o que vê

 

- Oh, não…

 

O cenário com que Vasco se depara seria impossível de imaginar e prever. Renato estendido no chão, o seu pescoço desfeito e um coração seco deixando-se transformar em cinza. Uma figura estranha, em pé, demoníaca e poderosa, parecendo deliciar-se com alguma coisa, começa a voltar-se para encara-lo. Dimitri.

 

- Sabem porque resisti tanto à vossa tortura amadora?! Porque permaneci fiel aos meus, recusando-me sequer a tentar fugir? – questiona, impondo-se, fazendo o promissor líder recuar num medo inconsciente. – Porque um verdadeiro e fiel soldado sabe o que quer e espera pela oportunidade certa para atacar! – explica, num sorriso afiado e manchado de sangue. - Na verdade… - continua, corrigindo-se numa elegância mesquinha. – Eu estava só a empatar-vos! Percebi que podia ser muito mais útil ao Joseph aqui, roubando-vos tempo e assustando-vos sem controlo, matando-vos, enquanto enfrentam tão pateticamente o desconhecido.

 

 

Os humanos já têm o destino resolvido - alguns vampiros que, milagrosamente, conseguem trabalhar num hospital, estão a chegar. Quanto às cinzas do vampiro que atacou Beatriz, usá-las-ão como mensagem contra Joseph. Entretanto, os cinco decidem seguir para a cripta, onde acreditam que Dimitri pode estar já a tornar-se um problema.

 

No início do percurso de regresso, Luna explica com poucos mas bons pormenores a sua experiência, garantindo que pode encontrar uma forma de se juntar aos Naturales, desproteger Joseph e encontrá-los. Estão com pressa, por decidem acelerar o passo ao estilo velocidade da luz.

 

- Impressionante! – comenta James, já observando o Bloody Mary.

 

- Só não faço ideia do que foi tão capaz de questionar o poder deles que os tornou, assim, vulneráveis a mim, que nem sei o que faço… - confessa Luna, referindo-se aos Naturales.

 

- Se essa razão que procuras não for mais um problema, o que importa?! – questiona Beatriz. – Ainda bem que assim foi!

 

- Agora que finalmente sabemos com o que estamos a lidar, podemos orquestrar um plano definitivo e pô-lo em prática. – continua Luna, verdadeiramente empolgada e ansiosa.

 

- A revolta está prestes começar! – ameaça Isabel, com uma imagem idealizada de Joseph Morgan no pensamento, ele caindo no desespero e na dor.

 

- Se é que já não começou! – corrige Beatriz, sempre sem tirar a mão direita do antebraço esquerdo, parando repentinamente para ouvir e sentir a confusão que vem do Bloody Mary.

 

 

Já estão a andar há alguns minutos, com dificuldade, cambaleando, tendo já desistido sequer de tentar correr. Falta-lhes o ar, as náuseas são insuportáveis e a sede intensa que sentem piora tudo. Recorrem à força uns dos outros para se manterem em pé, formando uma corrente.

 

A visão cada vez mais turva impede-os de reconhecer o local onde estão, e manchas de luz começam a ofuscar-lhes o caminho. Percebem que continuem entre a floresta, através sensações habituais de um local desabitado por qualquer ser que não animais e plantas, o silêncio, o cheiro da terra, das árvores, das flores. Isso deixa-os tranquilos e agitados simultaneamente, pois ali ninguém verá no que eles se tornaram, mas nesse caso, também ninguém os ajudará.

 

Talvez por ter sido o primeiro a desafiar a realidade, Henrique é também o primeiro a perder definitivamente as forças, caindo no chão num desmaio rápido e inevitável. Ainda conscientes, os companheiros tentam reanimá-lo, mas pouco a pouco, um a um, acabam na mesma situação. Os olhos fecham-se, o corpo cai em sofrimento e rende-se à força natural da biologia manipulada.

 

Continua…

 

[Boa Noite! Gostaram do que leram? Fiquem para ler e ver mais... :D Nova parte do VIDA de VAMP em breve, assim como MEMÓRIASdeVAMPIRO e Novos Episódios!

 

PS: - Desculpem as recentes demoras, mas espero que compreendam que tal como qualquer pessoa tenho problemas e responsabilidades. E então nós, os pobres que acabamos de fazer 18 e os pais não nos podem sustentar toda a vida... :D :P

 

Demoro a publicar porque sou uma perfecionista sem tempo... Mais uma vez desculpem...

 

Bjs <3 a autora]

 

7 comentários

Comentar Post

Aviso

Todos os textos publicados neste blog são do género FANFIC, ou seja, apenas uma sugestão de continuação da série de vampiros da SIC, "Lua Vermelha", ou forma de a recordar. No fundo, pretendo simplesmente homenagear a história, dando-lhe o seguimento que imagino/desejo que tivesse. Não tenho qualquer intenção de plágio, não o considero como tal, e por isso agradeço o respeito e a preservação dos direitos de autor. Afinal, isto é paixão, mas dá trabalho :D

Pesquisa Aqui

 

Respeito

Gostaria de alertar todos os leitores/seguidores do blog para a prática do respeito entre todos, para comigo (autora) e para com os criadores/produtores e atores de "Lua Vermelha". Infelizmente, comentários desagradáveis e ofensivos já foram deixados por alguns "anónimos", o que me levou à decisão de moderar a liberdade para comentar, sendo que as vossas opiniões precisam da minha permissão para serem publicadas no blog. Apenas exijo respeito! Se forem respeitáveis com as palavras, o vosso comentário aparecerá na página, garanto! Obrigado!

O Blog

Nasceu em 2012, com uma sugestão (pouco profissional...:D) de 2ªtemporada para "Lua Vermelha", que teve o seu fim oficial no mesmo ano. Por gosto da autora (Cláudia Silva) e apoio dos leitores, o Blog chegou à 3ªtemporada, havendo ainda espaço para posts de homenagem à obra de ficção e aos atores, intitulados "VIDA DE VAMP", "VampAtual" e "MEMÓRIASdeVAMPIRO". Após o final da Fanfic, em Novembro de 2017, foi anunciado pela autora que o Blog continuaria online, e que ganharia mais duas colunas: "Tudo Certo com Lua Vermelha" e "Tudo Errado com Lua Vermelha". Tudo o que foi publicado anteriormente, continua online.

Sinopse

Era uma vez um colégio cravado no coração da serra de Sintra. Entre mistérios e perigos, o regresso de uma antiga guerra e uma vida aparentemente normal de adolescentes, um vampiro com 186 anos apaixonou-se por uma humana de 17 que, apenas (e só por acaso!) é filha do mais temido caçador de vampiros de sempre, "Jaguar". Ora! Este é só o excêntrico início de todos os problemas que farão a vida valer a pena...! Deixas-te morder?!

As Imagens

Afim de evitar algum tipo de constrangimento, creio ser importante referir que, originalmente, as imagens que utilizo no blog, referentes a "Lua Vermelha", não são de minha autoria. Os direitos pertencem à SIC, à SP Televisão, ao fotógrafo José Pinto Ribeiro... e avisem-me caso falte alguém! :D Contudo, saibam que não publico qualquer imagem sem a editar/modificar primeiro, tornando-os algo minhas e do blog. Espero que respeitem e, claro!, apreciem!

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D