Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lua Vermelha

Sugestão de 2ª e 3ª temporada por Cláudia Silva. Tipo Fanfiction.

Lua Vermelha – 3ªtemporada - Episódio 65 – “Fugir é para cobardes”

[Boa Noite! Como anunciei, aqui está o novo episódio :D Espero que gostem :D Volto em breve (na próxima semana)!]

 20100606_020.jpg

 Continuação…

 

- O passado, o que aconteceu e o que devia ter acontecido, é o que o motiva nesta loucura que arrasta outros com ele. – esclarece Isabel, ocupando o silêncio de Beatriz com palavras que Luna diria se estivesse ali.

 

- No fundo, ele despreza-se a si mesmo! – assume a vampira. – E não só quer acabar com a própria vida, como ainda deixar a marca de caçador… - depois de pausar e respirar fundo, trocando olhares com Isabel, Francisca, Pedro e Vânia, retoma. - Peço-vos que lutem ao nosso lado. Ao contrário do que pensava isto não é apenas o passado a assombrar alguns, mas uma verdadeira luta pela sobrevivência e, novamente, pela paz, que implica todos nós.

 

Olhos bem abertos, alguns expressando orgulho, outros respeito e admiração, posturas erguidas, com mãos em punho estendidas ao longo dos corpos prontos para a nova guerra, e presas à vista nos rostos dos vampiros, são a prova de que dali, Isabel e Beatriz, não sairão sozinhas.

 

Nisto, Vasco repara mais uma vez que, embora não se tenha apresentado sozinha, Beatriz foi quem mais energia e coragem incitou nas almas de uma comunidade de vampiros novamente em perigo, precisamente porque há muito conquistou a sua confiança, e portanto, claramente esse efeito que ela tem sobre todos não vai sumir tão cedo. Vasco já odiou e desprezou demais aquela vampira para voltar a fazê-lo, mas a verdade é que a admiração que todos – e agora ele próprio – têm por ela e por tudo o que ela faz, vai ofuscar demasiado o seu futuro posto de líder.

 

Mais Antigo intervém enquanto todos seguem um pensamento claro e óbvio sobre tudo o que está a acontecer, o que tencionam fazer, como começar e, principalmente, como acabar.

 

- Eu mesmo já me encarreguei de avisar as outras comunidades. – garante Mais Antigo. – E, quero que saibam… - prossegue. - Considero a Beatriz e a Isabel, as cabecilhas de qualquer movimento dos vampiros no que respeita a esta nova guerra. – anuncia.   

 

Os vampiros aceitam de imediato a decisão de Mais Antigo, realmente achando-a a mais acertada e, no pensamento de alguns, talvez pelo entusiasmo de voltar a seguir as regras de Beatriz.

 

Ninguém questiona Mais Antigo, até porque ninguém discorda do que foi dito. Afinal o problema coloca-os a todos em vias de extinção, literalmente, e não há como fugir, ou esconder. Este tipo de inimigo não escolhe um alvo principal. E os que fogem da guerra, auto-apelidando-se orgulhosamente de sobreviventes, na verdade talvez sejam apenas cobardes

 

 

Depois da exaustão, de uma luta injusta pela sua própria energia e vida, Afonso acorda em consciência, num local que não é aquele em que tem a certeza que ainda está, embora aquele mesmo seja tão realista e bom, que deseje ser real.

 

É um deserto de relva verde e fresca, que estende para lá do horizonte, um céu azul magnífico em cima, terra suave e fresca aos seus pés. Afonso está sozinho. Está? Sente-se bastante bem para a ocasião, num aconchego familiar e incomum em simultâneo.

 

- Não queremos magoar-te.

 

Ouve-se o sussurro e Afonso gira em torno de si mesmo várias vezes para procurar alguém, alguma figura, qualquer coisa de onde possa ter sugerido aquela voz suave, calma, sábia… e na qual não confia.

 

Mantém-se calado, apenas esperando mais.

 

- Vamos apenas fazer bom uso da tua energia durante algum tempo.

 

Afonso tenta captar a origem dos murmúrios. Estará louco? Será um sonho?

 

- Assim que a nossa divida estiver paga, e os vampiros extintos…

 

Desta vez, o jovem não se faz parecer aquilo a que se chama uma barata tonta.

 

- Os vampiros são a minha família! – grita Afonso, num aviso que revela o seu lado lutador e destemido. – E eu vou descobrir uma forma de os proteger, nem que isso custe a minha vida!

 

Uma vez um deserto verde, um céu azul e uma calma maravilhosa, e noutra vez tudo isso desaparece num abrir e fechar de olhos. O belo e simples azul do céu ficou cinzento, a relva fresca sumiu e num espaço de poucos instantes Afonso estava no meio de uma tempestade e a escorregar na lama suja.

 

- O que é isto? – questiona, num murmúrio só seu.

 

- Não é a realidade, nem um sonho…

 

Alguém, ou alguma coisa responde.

 

- É uma ilusão! – sai a revelação, de uma voz distante e agora severa. – Nós somos os Naturales… - apresenta. - …e por mais que queiramos aceitar-te como um de nós, a tua vontade em salvar os vampiros não é maior que a nossa obrigação de acabar com eles!

 

Ouvindo com atenção, pressentindo através da expressão zangada daquela voz – que ainda assim parece calma – Afonso começa a demonstrar também algum descontentamento.

 

- Parem com isso! – pede, parecendo ordenar. – Tirem-me daqui! – insiste, depois de não obter mais resposta para além de chuva torrencial e um mar de lama. – Mostrem-se! Falem comigo! – continua, chapinhando na lama enquanto caminha de um lado para o outro, procurando qualquer coisa, alguém… - Façam qualquer coisa menos agir como cobardes!

 

A palavra “cobardes” ecoa por tempo indeterminado e Afonso chega a acreditar que ouvirá a sua voz ecoar pelo deserto para toda a eternidade. Mas entretanto, o chão enlameado desaparece, o céu cinzento fica negro – como numa noite sem lua, nem estrelas – e, rapidamente, sem nem sequer ter tempo para passar em como agir, Afonso lembra-se de Alice - aquela que cai na toca do coelho -, sentindo-se como ela, ainda que o seu instinto lhe diga que o País das Maravilhas não é o seu destino.

 

Ou a escuridão da toca é infinita, ou simplesmente não existe toca, apenas escuridão. Afonso entende que não saiu do mesmo sítio, ainda que a sensação de queda tenha sido evidente. Não! Não foi uma queda, mas sim aquela impressão de que lhe estão a sugar a vida novamente.

 

Ou… talvez… n sab… o q est a acotecr…

 

- Pai? Pai…?

 

Um deserto, uma tempestade, a Alice na Toca, a escuridão e agora a voz… Aquela voz maravilhosa, meiga…

 

- Socorro!

 

Depois do grito, ouve-se um choro. Mas Afonso continua na escuridão.

 

- Pai!

 

Outro grito. Afonso quer sair dali mas é como se estivesse preso. E não sabe sequer se está preso porque, nem sente o corpo.

 

- O que está a acontecer com a tua filha, aconteceu a todos nós! – aquela voz que apresentou os Naturales faz de novo a sua aparição. – Muitos morreram. Nós, os únicos restantes, devemos a vida ao único homem que capaz de nos libertar e controlar aquilo que somos…

 

Afonso não consegue falar. Está inexplicavelmente a ser obrigado a ouvir e calar. E essa incapacidade de se expressar torna-se insuportável enquanto continua a ouvir a sua filha, Luna, gritando por si.

 

A voz continua o seu relato.

 

- Esse homem é Joseph Morgan, e ele só encontrará a paz igual à que conseguiu para nós, com o fim dos vampiros!

 

Continua…

 

[Que tal? Curiosos para mais? - Volto em breve :D Até lá partilhem comigo a vossa opinião, aqui ou no facebook Lua Vermelha Segunda Temporada

 

Bjs <3 a autora]

 

ATUALIZAÇÃO:

Teaser de Pop Turns To Rock - Toxic - (com Catarina Mago) - sigam o link

https://www.youtube.com/watch?v=J_ammbdjflU

Toxic1-3set.JPG

 

 

1 comentário

Comentar Post

Aviso

Todos os textos publicados neste blog são do género FANFIC, ou seja, apenas uma sugestão de continuação da série de vampiros da SIC, "Lua Vermelha", ou forma de a recordar. No fundo, pretendo simplesmente homenagear a história, dando-lhe o seguimento que imagino/desejo que tivesse. Não tenho qualquer intenção de plágio, não o considero como tal, e por isso agradeço o respeito e a preservação dos direitos de autor. Afinal, isto é paixão, mas dá trabalho :D

Pesquisa Aqui

 

Respeito

Gostaria de alertar todos os leitores/seguidores do blog para a prática do respeito entre todos, para comigo (autora) e para com os criadores/produtores e atores de "Lua Vermelha". Infelizmente, comentários desagradáveis e ofensivos já foram deixados por alguns "anónimos", o que me levou à decisão de moderar a liberdade para comentar, sendo que as vossas opiniões precisam da minha permissão para serem publicadas no blog. Apenas exijo respeito! Se forem respeitáveis com as palavras, o vosso comentário aparecerá na página, garanto! Obrigado!

O Blog

Nasceu em 2012, com uma sugestão (pouco profissional...:D) de 2ªtemporada para "Lua Vermelha", que teve o seu fim oficial no mesmo ano. Por gosto da autora (Cláudia Silva) e apoio dos leitores, o Blog chegou à 3ªtemporada, havendo ainda espaço para posts de homenagem à obra de ficção e aos atores, intitulados "VIDA DE VAMP", "VampAtual" e "MEMÓRIASdeVAMPIRO". Após o final da Fanfic, em Novembro de 2017, foi anunciado pela autora que o Blog continuaria online, e que ganharia mais duas colunas: "Tudo Certo com Lua Vermelha" e "Tudo Errado com Lua Vermelha". Tudo o que foi publicado anteriormente, continua online.

Sinopse

Era uma vez um colégio cravado no coração da serra de Sintra. Entre mistérios e perigos, o regresso de uma antiga guerra e uma vida aparentemente normal de adolescentes, um vampiro com 186 anos apaixonou-se por uma humana de 17 que, apenas (e só por acaso!) é filha do mais temido caçador de vampiros de sempre, "Jaguar". Ora! Este é só o excêntrico início de todos os problemas que farão a vida valer a pena...! Deixas-te morder?!

As Imagens

Afim de evitar algum tipo de constrangimento, creio ser importante referir que, originalmente, as imagens que utilizo no blog, referentes a "Lua Vermelha", não são de minha autoria. Os direitos pertencem à SIC, à SP Televisão, ao fotógrafo José Pinto Ribeiro... e avisem-me caso falte alguém! :D Contudo, saibam que não publico qualquer imagem sem a editar/modificar primeiro, tornando-os algo minhas e do blog. Espero que respeitem e, claro!, apreciem!

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D