Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Lua Vermelha

Sugestão de 2ª e 3ª temporada por Cláudia Silva. Tipo Fanfiction.

Lua Vermelha – 3ªtemporada - Episódio 87 – “O castigo”

AFONSOeISABELamor.JPG

Continuação…

 

Não é preciso ordem para que os vampiros de Sintra e os que a eles se uniram contra Joseph e o seu exército de novos vampiros iniciam a luta. Aproveitam a ligeira vantagem de segundos que lhes foi dada de mão beijada, quando Joseph deu uma ordem que julgou ser aberta a perspectivas, não imaginando que seria respeitada ao extremo. E muito menos pensou que alguém a antecipasse.  

 

- Esqueçam o Alphonzo! – ordena. Lutem! – grunhe, desapontado.

 

Como que acordando de uma espécie de transe em que se deixavam derrotar simplesmente porque foram ordenados a atacar Alphonzo primeiro, os novos vampiros contra-atacam finalmente, necessitando já de se libertarem da investida dos adversários.

 

Mas o que deixa Joseph realmente nervoso não é o confronto violento e injusto que está a acontecer, o confronto porque afinal há tanto tempo ansiava, mas sim os quatro que o rodeiam, - ou cinco, ainda está para se certificar – que formam uma espécie de círculo fechado, observando-o, testando-o, provocando-o, imóveis, sedentos de o ver cair e perder a guerra que ele mesmo começou e deu por vencida.

 

Henrique, Beatriz, Isabel e Luna. Talvez Alphonzo também. Eles não estão ali para o matar, disso Joseph tem a certeza. Todo aquele silêncio, toda aquela paciência existencial, mesmo ali junto ao caos, obriga Joseph a intervir.

 

E escolhe Beatriz para começar, porque no olhar dela viu duas pessoas. Ela mesma, e Alphonzo dando-lhe o poder que ela não tinha. Joseph não é louco, mas também não é céptico. Ele tem a certeza que Alphonzo está ali, como que um espírito a possuir aquela vampira, de uma forma pacífica, pouco assustadora. E pensando sobre isso conclui que precisamente dessa forma, fazendo com que Alphonzo não interviesse directamente na luta, conseguiram os tais segundos de vantagem em campo de batalha.

 

- Os meus homens podem até ser uns idiotas, mas eu não! Eu sei que estás aí! – afirma, aproximando-se convictamente de Beatriz, mas dirigindo-se a Afonso.

 

- Saudades? – responde Afonso, dando-lhe a prova que ele precisava.

 

Joseph força um sorriso. – De alguma forma soubeste que iríamos primeiro atrás de ti, e não perdeste tempo em arranjar uma forma cobarde de lutar. – olha para Beatriz com desdém. – Ainda por cima, usas uma mulher como escudo! Cobarde! – provoca.

 

- Achas que um homem com dois metros de altura e costas largas, seria melhor opção? – responde Beatriz, igualmente desdenhosa, e nota-se uma ligeira diferença na voz, e na expressão.

 

Os irmãos são distinguíveis. E ambos notam um certo receio por parte de Joseph, ao assistir à mudança.

 

- Cobarde?! – intervém Afonso, e nota que Joseph fica então altamente desconfortável com a sensação de falar para duas pessoas que parecem estar no mesmo corpo. – Estou a proteger a minha família de ti, e vou ter sucesso. Por isso, antes um cobarde, que um hipócrita.

 

O vampiro afasta-se inconscientemente daquela situação. Ao desviar o olhar, tenta perceber o que se passo fora daquele círculo construído à sua volta. E sem se dar conta, aproxima-se perigosamente de Isabel.

 

- Explica-me! – pede Isabel, quase cantarolando, numa postura enérgica. – Como é que consegues odiar a tua própria espécie desde o inicio, e ainda assim teres a paciência – e estupidez! - de viver séculos para criar uma versão ainda mais perigosa da mesma? Hum?! – insiste. – Seria tão mais fácil se assumisses o problema como unicamente teu, e o resolvesses! – insinua.  

 

- Um sacrifício, por um bem maior! Apenas isso! – justifica, olhando-a de alto, acreditando realmente nas suas razões e no seu posto de salvador do mundo.  

 

- Que bem maior? – ela goza.

 

- O fim dos vampiros. – diz ele, breve e falando claro.

 

- O fim? – interrompe Henrique, num gargalhar sarcástico. – Criando novos vampiros, pretendes o fim dos vampiros! – resume, saboreando o momento de troça. – Desculpa-me, a minha inteligência não dá para tanto…

 

Joseph ignora-o e torna a dar voltas a si mesmo. Lembra-se dos Naturales e de como adoraria saber onde estão agora. Abandonaram-no, como toda a gente na sua vida, aliás. Como lhe daria jeito que não o tivessem feito. Pensa na possibilidade de estarem com Afonso, “Mas onde e como?”, questiona-se.

 

- Estás preocupado? – interfere Luna. – Coitadinho… Deve ser difícil! – finge pena, e como finge bem. – Até as… “aberrações” te deixaram! – atira, agora sem dó algum. – É isso que pensas deles, não é? De nós?

 

Mas o novo vampiro não lhe dirige o olhar sequer, permanece em busca de entender o que se está a passar na verdadeira batalha. Os seus estão a lutar bem, a defender-se, consegue ver, e já morderam dois ou três vampiros, que não viverão muito mais, portanto. Mas repara também que os vampiros, os naturais, estão mais fortes do que seria normal, estão a dar resposta, perfeitamente à altura das suas criações. E então lembra-se de Beatriz, e de Afonso. E olha para o chão, pensativo.

 

- Não te preocupes, eles também estão a lutar! – esclarece Luna, ao mesmo tempo que os pensamentos de Joseph fluem. – Não a teu favor, mas…

 

- A lutar como cobardes! – segue-se Beatriz. – Ser cobarde é uma estratégia de combate, hoje em dia, sabias. – conclui, numa indirecta ao mundo, e ri.

 

Joseph dá a volta.

 

- Chega! – grunhe de raiva, e atira-se ao pescoço de Beatriz, apertando-o, como se tentasse chegar até Afonso com isso.  

 

A vampira apenas sorri, fitando o olhar feroz da criatura e libertando-se seguidamente sem esforço, num golpe firme, atirando-o contra o chão.

 

***

 

Nesse mesmo instante em que Joseph cai no chão, ouve-se um grito familiar. Francisca está em apuros e Luna afasta-se imediatamente do círculo para ir em seu socorro.

 

Não leva muito tempo até chegar junto da vampira, e num golpe de vontade afasta a criatura que a atacava para alguns metros dali, ouvindo o impacto de algumas partes do corpo da criatura partindo no chão. Nesse momento, Luna revelou o seu lado mau, ao orgulhar-se do som de ossos a estalar.

 

Mas é com assustadora rapidez que torna a ser amável.

 

- O que aconteceu? – pergunta.

 

- Nada. – responde Francisca com a voz a tremer de medo, e outra para além da sua. – Estamos bem.

 

Ambas estão de costas uma para a outra, protegendo-se e andando em círculos. Luna nem se apercebe, quando Francisca puxa a manga do seu casaco de malha escuro até à ponta dos dedos, e pensa para com o espírito Naturale que lhe dá forças, que não diga nada a ninguém.

 

- Como estão as coisas com Joseph? – questiona, nervosa.

 

- Como planeámos! – garante a ruiva. – Vai buscar o teu punhal, eu protejo-vos. – avança Luna.

 

E Francisca corre em busca de uma arma perdida na grama verde.

 

***

 

- O quê que querem de mim? – grunhe Joseph, levantando-se ainda do chão para fazer frente aos adversários. – Ainda não me mataram porquê? Vamos! É isso que querem, ou não?

 

- Tu sabes bem que não. – provoca Henrique, observando descontraidamente as estrelas.

 

- Pois sei. – assume. – Antes, vocês querem saber tudo, não é? Querem conhecer os meus planos… - fita-os, um a um. – Pena que eu não tenha nada a dizer.

 

- Nada mesmo? Que é tudo “por um bem maior” …. – refere Isabel, imitando-o na parte do “bem maior”. – Isso já se sabe! - garante. – Mas não chega! – avisa. – É bom que arranjes mais qualquer coisa…  

 

Distraído a interpretar a provocação de Isabel, e recordando as alianças que fez com vários “Jaguar” antecessores dela, Joseph é empurrado brutalmente contra ela, por Henrique. Isabel, sábia do que está a acontecer, controlou os movimentos do corpo surpreendido de Joseph, e segura-o agora de frente para Henrique, exibindo um punhal encostado ao seu pescoço.

 

- Diz-me! – pede Henrique com bruta exigência. – Como exactamente pensas terminar tudo? – e olho-o nos olhos, como se fosse possível invadir-lhe a alma. – Quando já não houver vampiros, o que acontece aos que tu criaste? A ti, e a mim?

 

Isabel fere ligeiramente o pescoço de Joseph. Beatriz e Afonso observam, num misto expressivo de emoções, satisfação dela e apreensão dele.

 

- Então é isso! – lança um sorriso. – Vocês querem saber o que acontece quando já não houver vampiros para alimentar as minhas criações… - conclui, com prazer nisso. – Idiots! – profere, no seu inglês altivo. – O sangue humano irá saciar-nos por uma ou duas semanas, pouco mais. Com o tempo vamos enlouquecer, fraquejar, provavelmente matarmo-nos uns aos outros… - resume, prevendo a angústia nas almas de Henrique e da sua familiazita. – Em suma, vamos morrer também! – termina, feliz.

 

A verdade, é que o horror passou mesmo pela cabeça de Henrique, e um medo terrível pela de Beatriz, tal que quase afastou o poder de Afonso, o irmão que protege e que a protege.

 

Com ódio, Isabel torna a ferida no pescoço de Joseph um pouco mais profunda, e sussurra-lhe algo ao ouvido.

 

- Queres saber por não te matamos? – questiona. – Não há pior castigo para ti, que o de viver amarrado à natureza de vampiro. E para te ver viver, vamos até ao fim do mundo, meu querido… - goza, numa quase sedução, maléfica.

 

- Não vai ser preciso ir ao fim do mundo! – uma voz feminina, jovial, que apenas Afonso reconhece, surge. – E olha, Jo, pena que tenhas preparado todo esse discurso. E que o tenhas proferido com tamanho drama. – é Aurora, a única Naturale que se revela, pois não estava entre eles até agora. – Logo agora que encontrei o antídoto e sei como reverter o que fizeste!

 

Continua…

 

LEMBRETE: Não se esqueçam! Esta fanfic termina com 90 episódios! Está quaaaseeeeee! :D

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Aviso

Todos os textos publicados neste blog são do género FANFIC, ou seja, apenas uma sugestão de continuação da série de vampiros da SIC, "Lua Vermelha", ou forma de a recordar. No fundo, pretendo simplesmente homenagear a história, dando-lhe o seguimento que imagino/desejo que tivesse. Não tenho qualquer intenção de plágio, não o considero como tal, e por isso agradeço o respeito e a preservação dos direitos de autor. Afinal, isto é paixão, mas dá trabalho :D

Pesquisa Aqui

 

Respeito

Gostaria de alertar todos os leitores/seguidores do blog para a prática do respeito entre todos, para comigo (autora) e para com os criadores/produtores e atores de "Lua Vermelha". Infelizmente, comentários desagradáveis e ofensivos já foram deixados por alguns "anónimos", o que me levou à decisão de moderar a liberdade para comentar, sendo que as vossas opiniões precisam da minha permissão para serem publicadas no blog. Apenas exijo respeito! Se forem respeitáveis com as palavras, o vosso comentário aparecerá na página, garanto! Obrigado!

O Blog

Nasceu em 2012, com uma sugestão (pouco profissional...:D) de 2ªtemporada para "Lua Vermelha", que teve o seu fim oficial no mesmo ano. Por gosto da autora (Cláudia Silva) e apoio dos leitores, o Blog chegou à 3ªtemporada, havendo ainda espaço para posts de homenagem à obra de ficção e aos atores, intitulados "VIDA DE VAMP", "VampAtual" e "MEMÓRIASdeVAMPIRO". Após o final da Fanfic, em Novembro de 2017, foi anunciado pela autora que o Blog continuaria online, e que ganharia mais duas colunas: "Tudo Certo com Lua Vermelha" e "Tudo Errado com Lua Vermelha". Tudo o que foi publicado anteriormente, continua online.

Sinopse

Era uma vez um colégio cravado no coração da serra de Sintra. Entre mistérios e perigos, o regresso de uma antiga guerra e uma vida aparentemente normal de adolescentes, um vampiro com 186 anos apaixonou-se por uma humana de 17 que, apenas (e só por acaso!) é filha do mais temido caçador de vampiros de sempre, "Jaguar". Ora! Este é só o excêntrico início de todos os problemas que farão a vida valer a pena...! Deixas-te morder?!

As Imagens

Afim de evitar algum tipo de constrangimento, creio ser importante referir que, originalmente, as imagens que utilizo no blog, referentes a "Lua Vermelha", não são de minha autoria. Os direitos pertencem à SIC, à SP Televisão, ao fotógrafo José Pinto Ribeiro... e avisem-me caso falte alguém! :D Contudo, saibam que não publico qualquer imagem sem a editar/modificar primeiro, tornando-os algo minhas e do blog. Espero que respeitem e, claro!, apreciem!

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D